PROVEDORIA DE JUSTIÇA REGISTA ENTRADA DE MAIS DE 700 PARTICIPAÇÕES EM 2011

PROVEDORIA DE JUSTIÇA REGISTA ENTRADA DE MAIS DE 700 PARTICIPAÇÕES EM 2011

PROVEDORIA DE JUSTIÇA REGISTA ENTRADA DE MAIS DE 700 PARTICIPAÇÕES EM 2011

A

2011-12-27

Luanda – A Provedoria de Justiça registou, durante o ano de 2011, 798 participações, sendo 469 escritas, 49 pelo portal e 280 em audiência com o provedor de justiça.
 
A informação foi avançada hoje, terça-feira, pelo provedor de justiça, Paulo Tjipilica, durante a cerimónia de cumprimentos de fim de ano do seu pelouro.
 
Dos processos em curso, disse, 18 foram encaminhados para os tribunais por se tratarem factualidades cíveis e criminais.
 
No âmbito da salvaguarda do princípio do contraditório, referiu, têm vindo a interpelar as entidades visadas solicitando esclarecimentos, no sentido de se pronunciarem sobre as questões suscitadas pelos cidadãos na reclamação dos seus direitos.
 
Já a nível interno, informou, foram efectuadas visitas às províncias e aos estabelecimentos prisionais, onde constataram que, apesar dos progressos e do esforço que está sendo feito pelo Ministério do Interior, pelos magistrados judiciais, do Ministério Público, e pelos respectivos Conselhos Superiores das Magistraturas, a questão do excesso de prisão preventiva ainda continua preocupante.
 
No que respeita aos serviços locais, frisou, concretizou-se a instalação da provedoria na província do Kwanza Sul e projecta-se cobrir a Lunda Sul, Cabinda, Uíge, Benguela, Moxico, Lunda Norte, Bengo, Malanje e Bié.
 
Relativamente aos constrangimentos, Paulo Tjipilica citou, dentre as várias situações adversas ao desenvolvimento normal das actividades da Provedoria de Justiça, a falta de espaço, reclamação que vem dos cidadãos, como sendo um deles.
 
Referiu que tal situação, afecta os funcionários que optam por abandonar a instituição em demanda doutros serviços com melhores condições de trabalho.
 
A tudo isso, frisou, acresce a questão salarial “desistimulante”, sobretudo quando comparada com as regalias dos servidores da Assembleia Nacional, o que não é estendível uma vez que a provedoria é sua emanação.
 
Outro aspecto que os constrange é o Estatuto do provedor de Justiça e a própria lei orgânica, de Abril de 2006, que a seu ver estão desactualizados e inadequados face a actual Constituição da República de Angola.
 
Já a nível internacional, deu a conhecer que a actividade desenvolvida no âmbito da presidência angolana da AOMA, votação ocorrida na 3ª Assembleia-Geral que teve lugar em Luanda, em 2010, foi intensa.

Entre outras actividades desenvolvidas pela instituição, destaca-se a acreditação da AOMA junto da União Africana, processo, referiu, que culminou com a assinatura de um acordo de cooperação, em Outubro do ano em curso.



Fonte: Angop

Anterior PAULO TJIPILICA PARTICIPA NO VII CONGRESSO DOS OMBUDSMANS FRANCÓFONOS

O Provedor de Justiça é uma Entidade Pública Independente do Estado…

Relações Internacionais

Links Úteis

© 2023 Provedor de Justiça de Angola - Todos os direitos reservados

wpChatIcon